O Infindável Museu das Coisas Efêmeras

Sinopse:

Este museu foi criado para abrigar a efemeridade das coisas, ainda que o ato de reter o inapreensível desafie a nossa própria existência. O ofício de reunir, conservar e expor foi seguido à risca. Já a maneira de concretizá-lo, não.

Tudo que nele habita, só existe quando desaparece. Ao serem tocadas, as peças do acervo se desmancham. O seu patrimônio mora justamente na errância de capturar o incapturável, de “eternizar” o que se dissipa por essência e sem o menor esforço.

Nunca será tombado porque é feito da queda, da impossível junção dos cacos, da pungência das coisas que não perduram. Presentificar aquilo que existe somente quando não está, passa longe de ser uma tarefa simples. Por isso, esta cartografia de impermanências, finitudes e ausências onde abandonamos as asas para empalhar a densidade e a leveza do próprio voo.

O museu oferece múltiplas narrativas, itinerários e sopros. Não há nenhum problema em se perder pelas remotas galerias de si. Dentro dele, as coisas nunca estarão no mesmo lugar de antes. A sombra das obras expostas vale mais que suas supostas presenças. O que se mostra frágil é apenas um reflexo do que parece.

Este museu surgiu para preservara natureza efêmera de tudo aquilo que, por não criar essa casca apelidada de memória, deixa de cicatrizar na gente.

Todo cuidado é pouco. Toda beleza é muito.

O novo livro do escritor é apontado como um marco na sua carreira enquanto poeta.

Como adquirir:

Ao clicar aqui, abre o link de compra direta na livraria.

Três Vírgula Quatro Graus na Escala Richter

Finalista do Prêmio Guarulhos de Literatura 2019

Sinopse:

A Senhora Madona toma uma decisão que mudará para sempre o curso das relações estabelecidas no seio familiar. Para que ninguém da casa desconfie, ela contrata os serviços da Senhora Marta, que se apresenta como uma “especialista em despedidas”.

Mas se despedir da própria família não será tão fácil assim, momento em que esta peça explora a superfície das relações firmadas, o eco de silêncios seculares e os abismos disfarçados com sintomas de dor. A natureza aparentemente incontornável e instantânea do adeus acaba revelando um jogo de papéis, valores e coisas nunca ditas que ameaçam abalar sensivelmente a estrutura de nossas certezas.

Os personagens percorrem os cômodos e incômodos desses laços, enquanto tremores de magnitudes incalculáveis avançam do epicentro para as margens. Cada passo dentro dessa casa, é um pouco de nossas fragilidades e esquecimentos que desaba.

Três Vírgula Quatro Graus Na Escala Richter acompanha esta mulher na noite em que se despede de si mesma para se reencontrar em algum ponto. Uma peça sobre a estranheza do lar e a conformidade que nos impede de despedir das coisas mortas, que sabemos mortas, mas que continuam na nossa convivência como se nada tivesse acontecido ou pudesse acontecer.

Trailer book

Como adquirir:

Ao clicar aqui, abre o link de compra direta na livraria.

Dramaturgias de Re(e)xistências

Livro com as peças A mulher que andava em círculos e Happy Hour

A mulher que andava em círculos

A personagem da mulher está perdendo a memória, um tanto real, um tanto representação metafórica da América Latina. O texto da peça traz a memória coletiva e a estética dos prospectos do teatro político na América Latina. O monólogo conduz o espectador para ambiências políticas, afetivas e existenciais da protagonista, de onde surgirão questionamentos que serão desenhados no conflito entre a memória e o esquecimento.

Happy Hour

O encontro ocasional de dois homens para um Happy Hour acaba desencadeando um duelo vicioso cercado de discursos de autoafirmação, estereótipos e conceitos pré-moldados. O texto da peça promove um tour labiríntico pelo imaginário masculino criado socialmente, além de expor a hipocrisia, as fissuras e os extremismos decorrentes dessa construção que, numa linha muito tênue, vai do engraçado à barbárie.

Como adquirir:

Ao clicar aqui, abre o link de compra direta na livraria.

Contos Premiados

Sinopse:

Esta obra reúne os contos premiados de 6 autores vencedores do Concurso Nacional de Contos Josué Guimarães entregue bienalmente na Jornada Nacional de Literatura, um dos eventos mais expressivos do circuito literário do país. O livro alicerça “as vozes narrativas mais singulares e renovadoras de nossa ficção” destacadas na literatura escrita por Éder Rodrigues, Bruno Dorigatti, Gilmar Penteado, João Goulart de Souza Gomes, Lúcia Bettencourt e Paulo de Tarso Riccordi.

Editora UPF/Instituto Estadual do Livro: Ed. CORAG. 2013