É mineiro nascido em Pouso Alegre/MG, radicado em Porto Seguro/BA. O seu trabalho atravessa variados segmentos da literatura nos quais é possível apontar uma densidade poética, aguda e performática bem característica do seu projeto artístico.

Éder Rodrigues

Dedica-se oficialmente à arte da escritura e das corpografias desde 2007, tendo participação ativa nos movimentos literários e culturais do país. É poeta, ficcionista, dramaturgo e também escreve para o público infantojuvenil.

Seu nome é bastante conhecido do circuito de festivais literários nacionais. Já são mais de 100 cidades visitadas como autor convidado, levando um trabalho cuja tessitura poética retoma a palavra e a sua performatividade como instâncias indissociáveis. Integra 72 antologias nacionais e internacionais, figura em edições especiais de vários periódicos de referência como a Revista Agália (dedicada à arte lusófona) e possui uma carreira premiada.

Como poeta, recebeu o Prêmio OFF FLIP de Literatura 2017, o Prêmio Nacional Carlos Drummond de Poesia promovido pelo SESC/DF (2011 e 2010), o Prêmio Cassino Lisboa de Poesia (2006), além de ser um dos artistas mais premiados do FEMUP com o Troféu Natividade, o mais antigo dos festivais do país entregue anualmente em Paranavaí/PR, dentre outras premiações.

Já pelo seu trabalho como contista recebeu o disputado Prêmio Paulo Leminski de Contos 2009, o tradicional Prêmio José Cândido Carvalho (2014, 2012, 2008), o Prêmio Felippe D’Oliveira, além de ter sido contemplado com o Prêmio FUNARTE de Criação Literária (2014 e 2010), dentre outros prêmios concedidos por academias e certames.

Ficou conhecido do grande público e também da crítica após receber o Prêmio Josué Guimarães de Literatura 2019, entregue na 13ª. Jornada Nacional de Literatura, o maior evento literário do país realizado na região sul. O prêmio projetou seu nome no Brasil e possibilitou o seu intercâmbio cultural na Espanha, onde divulgou o seu trabalho junto a uma caravana de eventos literários em cidades espanholas e também em Portugal.

No segmento da dramaturgia, é autor de 15 peças teatrais: Pedra Bruta: ensaio para colher o provisório das coisas (2018), Happy Hour (2017), A mulher que andava em círculos (2016), Três Vírgula Quatro Graus na Escala Richter (2016 – Finalista do Prêmio Guarulhos de Literatura), Até o fim (2015), Toada para recolher rastros do céu (2015), Agora ou nunca (2014), Pássaro fora do ar (2014/2013), Nada a declarar a não ser que chove (2013), Ao persistirem os sintomas (2013), Klássico [com k] (2013), Argonautas de um mundo só (2012), E peça que nos perdoe (2012 – Indicado ao Prêmio SINPARC de Melhor Dramaturgia), A Pequenina América e sua avó $ifrada de escrúpulos (2010 – Prêmio SESC/SATED Melhor Texto Inédito do Ano), Olho Mágico (2007) e Por esta porta estar fechada, as outras tiveram que se abrir (2007).

Deste repertório, sete peças foram publicadas pelas Editora Telucazu, Ed. Perspectiva, Ed. Javali, Ed. Nandyala e Ed. FALE/UFMG. Os espetáculos receberam montagens junto a importantes coletivos da cena contemporânea e também a assinatura de renomados diretores/as latino-americanos/as, além de contar com temporadas e apresentações nos principais eventos nacionais do circuito das artes cênicas.

No âmbito da escrita para o público infantojuvenil, recebeu o Prêmio Nacional Monteiro Lobato de Contos Infantis, promovido pelo SESC/DF, pela autoria da obra A arte de empinar pipas (2008), tendo sido finalista em outras edições do certame pela autoria de Asas para ficar (2009), O menino que dormia dentro do seu chapéu (2010), Ópera Dindinha (2012), Quebra-cabeça de macacos (2016). As obras foram publicadas pela Editora do SESC/DF e três dessas obras também foram publicadas no formato de audiolivros junto ao projeto Escuta Audio Livres: literatura, corpo e acessibilidade (2020).

Doutor em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais, com tese sobre a Literatura Latino-Americana Contemporânea. É também formado pela Faculdade de Belas Artes da UFMG, além de desenvolver projetos culturais envolvendo as artes literárias e as artes da presença no âmbito da Comunidade Lusófona. Atualmente é professor adjunto do Centro de Formação em Artes e Comunicação da Universidade Federal do Sul da Bahia.

Seus últimos livros publicados foram: O Infindável Museu das Coisas Efêmeras (Editora Telucazu), Carrossel de um cavalo só (Editora Ática) e Três Vírgula Quatro Graus na Escala Richter (Editora Telucazu).